Blog Seriös

Manual do Desfralde

Um dos maiores desafios da paternidade é saber o momento ideal para tirar as fraldas da criança. É uma tarefa que chega cercada de dúvidas e insegurança. Como saber o momento certo? A criança dará sinais quando estiver pronto?

De acordo com estudos1 sobre o desenvolvimento da criança, só a partir dos 8 meses, o bebê começa a diferenciar sua identidade com a da mãe, e passa por esse processo de separação. Com os dejetos, acontece da mesma forma. Quando a criança percebe que as fezes e a urina não fazem mais parte dele, começa a dar sinais de incômodo e, assim, estará pronto para iniciar o processo de desfralde. O importante é respeitar o processo de amadurecimento da criança, estar atento e identificar sinais apresentados por meio da fala ou dos gestos.

O aprendizado do controle esfincteriano é influenciado pelo desenvolvimento de cada criança e por fatores culturais. A família é o primeiro referencial dela, seguida pelo ingresso na escola. O tempo dessa independência pode variar de acordo com o histórico familiar, o tempo de dedicação ao treinamento e o desenvolvimento fisiológico e emocional da criança.

Não se precipite! Só comece o treinamento de seu filho se perceber que ele está maduro. Assim, o aprendizado terá mais chances de acontecer com tranquilidade.

Quando e por onde começar?

As crianças costumam iniciar o processo do desfralde a partir dos 18 meses. Quando já sabem andar bem equilibradas e conseguem identificar objetos, é sinal de que chegou a hora. Outro sinal é quando demonstram incômodo com uso da fralda. Nesse período, pode-se observar que também já são capazes de obedecer a alguns comandos.

Situações do desenvolvimento infantil devem ser tratadas com flexibilidade, observando sempre as particularidades da criança. Se achar que ela está preparada para o desfralde, mas, no decorrer do processo, perceber que não está madura ou está passando por um processo de mudança na rotina (mudança da casa, nascimento de irmão, separação dos pais), não há problema em parar e recomeçar em outro momento.

Inicia-se pelo desfralde diurno, uma vez que o controle noturno da bexiga requer habilidade de suprimir a urgência de urinar durante o sono ou a capacidade de acordar ao sinal de uma bexiga cheia. Até quatro anos, a maioria das crianças abandona as fraldas.

O tempo necessário do treinamento até a aquisição do controle esfincteriano é de três a seis meses, em média. Se persistir, peça a avaliação de um especialista, como urologista ou nefrologista. O processo de retirada de fraldas precoce, tardio ou mal conduzido, é determinante no aparecimento da síndrome de disfunção das eliminações, que consiste em disfunções relativas ao aparelho urinário e gastrointestinal. Crianças com treinamento inadequado apresentam mais ocorrências de infecção do trato urinário, constipação e sintomas de disfunção miccional (incontinência, manobras de contenção, enurese, urgência miccional). O sucesso no treinamento é bom para os pais e para as crianças.

 Como os pais podem ajudar nesse processo?

O primeiro passo para o treinamento é a decisão se será utilizado um penico ou o vaso sanitário normal. Muitas crianças preferem o penico porque é pequeno e podem se sentar e levantar sozinhas quando quiserem. Algumas preferem usar o vaso sanitário como seus pais ou irmãos maiores. Neste caso, deve-se comprar um redutor para o vaso e colocar um banco para a criança poder subir e descer sem ajuda e manter os pés apoiados durante a micção e a evacuação para o adequado relaxamento perineal. Muitas crianças querem a presença dos pais durante esta atividade, outras preferem ficar sós. O desejo da criança deve ser respeitado, assim como oferecer a segurança necessária para o correto aprendizado.

Os pais precisam dedicar tempo e acompanhar o filho nesse processo. Com paciência, ensinar tudo: como se sentar no vaso/penico, puxar a descarga e como deve ser feita a higienização. Ensine também a chamar alguém sempre que precisar ir ao banheiro. Deixe que fique sentado no vaso ou penico, se tiver vontade. Demonstre satisfação a cada etapa do processo, elogiando e mostrando seu contentamento com cada resultado. Dessa forma, a criança se sentirá mais segura e estimulada a continuar explorando a nova atividade.

Os meninos devem ser ensinados a fazer xixi sentados no vaso ou penico. O processo deve ser feito de maneira gradual, passo a passo. Depois que eles estiverem adaptados, você pode orientá-los a fazer de pé. O exemplo do pai ou de alguma figura masculina neste momento é muito bem-vindo.

Estas dicas podem ajudar no momento do desfralde.

1) Saiba a hora certa de começar – Não tenha pressa. O período do processo costuma variar muito de uma criança para outra. Escolha um momento em que você tenha toda paciência e disponibilidade para tornar a tarefa agradável ao filho. Lembre-se de que a fralda apresenta para criança certa segurança, e que esse momento deve ser trabalhado com muito carinho e valorizando cada avanço. Faça com que ela se sinta feliz e capaz de se despedir da sua “companheira fralda”.

2) Evite expor a criança em lugares públicos – Ir ao banheiro é algo privado e não deve ser constrangedor. Tente utilizar o sanitário com a porta fechada, e penico sempre no banheiro.

3) Tenha paciência e dedique tempo ao processo –  O tempo previsto para conclusão de um desfralde é de 1 a 6 meses, incluindo o desfralde noturno, caso não ocorra nenhuma regressão, seja por parte dos pais ou mesmo da criança. Quanto maior a persistência, a paciência e a condução correta do processo, maior será a chance dele ocorrer de forma tranquila e exitosa. A diversão deve ser explorada para tornar todo o processo mais rápido, fácil e prazeroso.  Leve livrinhos, joguinhos, brinquedos e outras atividades que envolvam a criança quando ela estiver no banheiro para tornar o momento prazeroso. Tudo pode ser usado: dar tchau para cocô, cantar musiquinhas enquanto faz xixi, ler livrinhos etc.

4) O desfralde deve ser iniciado em casa – Os pais deverão iniciar o desfralde em um final de semana e informar à professora, para que ela mantenha o processo no decorrer da semana, no intuito de não haver regressão. Lembre-se de que a escola deve ser só um apoio.

5) Providencie itens de apoio – A criança precisa de conforto. Providencie um penico, adaptadores de assento e um apoio para os pés, a fim de que a criança faça o esforço para liberação da urina e das fezes com segurança. O ideal é que o uso de adaptadores de assento sejam utilizados quando a criança já estiver treinada.

6) Crie uma rotina de idas ao banheiro – Comece retirando a fralda do dia e pergunte se a criança quer ir ao banheiro. Crie uma rotina com ela, levando-a ao banheiro a cada duas horas.

7) Elogie e valorize cada conquista – Nunca brigue nem castigue a criança se ela fizer xixi ou cocô no chão ou na roupa durante o processo de desfralde. Ao contrário, valorize suas pequenas conquistas, encorajando-a a vencer as dificuldades. Nessa fase, os escapes são comuns. Para algumas crianças, essa situação pode durar, em média, até os quatro anos de idade. Para outras, até os seis anos de idade.

8) Evite comparações – Nunca compare seu filho com outra criança, nem mesmo com o irmão mais velho. O desfralde também vai depender da pré-disposição do adulto para mediá-lo. Todo o processo exigirá uma mudança de rotina e de humor muito maior do adulto; esteja certo disso antes de começar.

9) Utilize roupas fáceis de retirar – Se a criança pede para ir ao banheiro, os pais têm que agir rápido.

10) Os componentes emocionais são importantes – Não trate os excrementos da criança como algo ruim ou mal feito. O fato de evacuar deve ser encarado como saúde e como uma produção natural do corpo. Se a criança demonstrar excesso de nojo ou incômodo com as fezes, é preciso encarar sua realização como algo poderoso, consistente e satisfatório. Se você identificar dificuldades fora do comum nesse processo, procure um profissional que possa ajudar.

Boa sorte!

 

Fonte:

  1. Anna Freud (1971), Donald Winnicott (1975), Melanie Klein (1991), Erik Erickson (1965).
  2. MOTA, Denise Marques. Aquisição dos controles urinário e intestinal nas crianças da coorte de nascimentos de Pelotas de 2004. 2008.
  3. “Infância: especialista dá dicas para o desfralde – Fiocruz.” 23 ago. 2016, https://portal.fiocruz.br/noticia/infancia-especialista-da-dicas-para-o-desfralde . Acessado em 6 ago. 2019.
  4. “Desfralde: aprenda a respeitar o tempo da criança – EBC.” 23 mar. 2015, http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2015/03/desfralde-aprenda-respeitar-o-tempo-da-crianca. Acessado em 6 ago. 2019.
  5. https://paisefilhos.uol.com.br/crianca/10-erros-comuns-na-hora-do-desfralde/. Acessado em 12 ago. 2019

Deixe uma resposta