Marco histórico: Brasil alcança centésima medalha de ouro nas Paralimpíadas

31/08/2021

O Brasil tem feito história nas Paralimpíadas de Tokyo 2020. Os atletas brasileiros superaram a marca histórica de 100 medalhas de ouro nas competições. A 99ª medalha de ouro veio com a Beth Gomes, que quebrou o recorde mundial no lançamento de discos.

Beth quebrou, na verdade, o recorde mundial duas vezes. Ela fez 3 lançamentos, já no primeiro garantiu a medalha de ouro, no segundo quebrou o recorde mundial e no terceiro, mais uma vez, se superou e alcançou a nova melhor marca em 17,62m.

Beth Gomes é ouro no lançamento de disco nas Paralimpíadas — Foto: Wander Roberto /CPB @wander_imagem

Eis a fala de Beth após a vitória:

“Parece um sonho, mas um sonho que se tornou realidade. Foram cinco anos esperando por esse feito, quando fiquei fora das Paralimpíadas de Rio, por conta de uma reclassificação funcional. E hoje posso comemorar esse feito, que venho galgando com a minha treinadora a cada treino, a cada suor derramado. Essa medalha também são para meus pais, que estão no céu. Esse grande feito é para vocês. Quero agradecer a minha família, que tanto me apoiou, e meus amigos, que não me deixaram para trás – disse a santista, de 56 anos”, disse.

Beth Gomes conquista o ouro no lançamento de disco — Foto: Wander Roberto /CPB @wander_imagem

Já a 100ª medalha de ouro veio com Yeltsin Jacques ao vencer os 1500m T11, classe para atletas cegos, com direito a recorde mundial. O atleta, acompanhado pelo guia Antônio Carlos dos Santos, o Bira, liderou de ponta a ponta e terminou a prova com o incrível tempo de 3min57s60, muito à frente do segundo colocado.

Yeltsin Jacques, com o guia Antônio Carlos dos Santos, conquistou a medalha de ouro nos 1.500m T11, o centésimo ouro brasileiro em Paralimpíadas — Foto: Kiyoshi Ota/Getty Images

“Hoje de manhã o Bira me falou isso, e me deu motivação: “Ó, a gente tem chance de fazer história mais uma vez, centésimo ouro do Brasil na história das Paralimpíadas”. Eu falei: “É por duas coisas. Primeiro, para subir o Brasil no quadro de medalhas; e segundo, é para construir essa história” – contou Yeltsin depois da prova, em entrevista à SporTV.

Antônio Carlos Santos e Yeltsin Jacques ao lado do placar que mostra o novo recorde mundial dos 1.500m T11, que garantiu a centésima medalha de ouro do Brasil em Paralimpíadas — Foto: Kiyoshi Ota/Getty Images

Com essas medalhas, o Brasil chegou a 14 ouros e, até 31 de agosto, estava classificado em 6º no ranking. Veja o quadro de medalhas: